quarta-feira, 11 de abril de 2012

Aborto e Religião

Pensei em um monte de sacanagens para escrever hoje mas a verdade é que hoje estou super atenta com um tema tão sério que não consegui falar em outra coisa.
Hoje lá no STF estão votando a descriminalização, o direito de uma mulher abortar caso seu feto seja anencéfalo. Eu sou espírita e tenho minhas crenças que não concordam com um aborto, mesmo que o feto não tenha chances de sobrevivência PORÉM acho que as mulheres tem que ter o DIREITO se optar por manter ou não uma gravidez de um feto anencéfalo. Hoje isso é proibido e uma "infeliz" que descobre ter dentro do ventre um feto sem cérebro que não tem possibilidades de sobreviver é obrigada a carregar o futuro morto e parir, na maioria das vezes, um bebê já sem vida e quando ele nasce vivo não dura nem duas horas. Como mãe, imagino ser uma dor imensa carregar dentro do ventre um bebê, senti-lo mexer e saber que não será possível amamenta-lo, abraçar e sentir seu cheiro, não será necessário comprar berço, roupinhas, fazer chá de bebê portanto é um absurdo que o Estado detenha o direito de escolha se essa gravidez deve ser interrompida ou não e pior ainda são os religiosos que tentam impor suas crenças nessas infelizes mães. Eles fazem discursos "a favor da vida" e que é contra as leis de Deus blá blá blá mas isso está errado. Nenhum religioso pode querer proibir ou julgar uma mulher nessas condições, muito menos querer roubar-lhe o livre-arbítrio em nome de Deus.
Provavelmente se acontecesse comigo eu iria seguir com a gravidez e parir um filho morto porque tenho minha crença, minha fé e porque seria minha opção, mas jamais julgaria uma mulher que não quisesse passar por tamanho sofrimento e lamento por quem o faz.
O ministro Marco Aurélio hoje cedo fez um discurso que eu achei INCRÍVEL onde ele mostrou seu respeito pelas mulheres e seus sentimentos e onde lembrou à todos sobre a diferença da religião e do Estado.

"O Estado não é religioso nem ateu. O Estado é simplesmente neutro. O direito não se submete à religião"

Do ponto de vista da minha crença religiosa, mesmo com um feto sem cérebro a gravidez deveria seguir adiante mas eu compreendo que outras pessoas pensem de outra forma, creiam em outras coisas ou não creiam em nada e respeito disso, porque o resto do planeta não pode aceitar que as pessoas não são obrigadas a seguir crença religiosa de ninguém?
Discordo dessa religiosidade fervorosa que usa o nome de Deus para proibir, julgar e condenar mulheres que querem abortar, gays ou ateus. Pior ainda quando os religiosos querem se meter com política para usar de poder para impor suas idéias "cristãs" em toda a população.



Um post contra a hipocrisia religiosa. Porque na hora de impor, julgar e condenar quem não segue suas regras religiosas eles são nota 10 mas na hora de seguir o que a Bíblia e a própria religião prega...xiiiiiiiiiii

11 cuspiram:

Smareis disse...

Olá,

Fiquei super feliz com sua presença, muito obrigada!
Muito inteligente sua postagem.
Esse assunto é muito complicado. Eu sou contra o aborto no meu ponto de vista.
mas não discrimino quem é a favor. Cada um tem direito de decidir o que é melhor pra si, mas depois assumir as consequência que virão.
Ninguém é Deus pra exigir isso de ninguém. A mulher passa uma gravidez de nove meses só pra depois enterrar seu filho é muito dolorido, também é dolorido ela interromper essa gravidez pelo meio. Acho que a dor é a mesma, mas acredito que dar a luz a um filho com essa mal formação ainda é a melhor solução. Milagres acontece, e creio nisso. Talvez o filho nasça e sobreviva por muitos e muitos anos, Deus escreve sempre em linhas certas, não em linhas tortas como diz o ditado.

Grande beijo!

Parabéns pela postagens!

Obrigada pela visita, sera sempre bem vinda!

anonimo.com disse...

oi querida.
não conhecia teu blog e pra mim foi uma maravilha ver teu comentário lá no anônimo.

acho que o que tu falou tá super certo, apoio com todas as letras. religião é algo que se tem ou não, ngm pode impor algo às pessoas só pq sua religião diz.
parabéns!

Sentimental ♥ disse...

Eu continuo sendo contra... na verdade há uma confusão em relação ao termo anencéfalo, pq seria a ausência total de cérebro, mas o q na verdade ocorre é a ausência parcial do encéfalo e da calota craniana, e qndo isso ocorre o bebê pode sim viver sem isso, como exemplo uma menina q já tem 2 anos de idade e se alimenta sem sonda, engatinha e tem expressões e sentimentos. alguns morrem nas primeiras horas, outros vivem mais tempo.

assim como você eu também sou espírita e acho sim q todos tem direito de nascer, mesmo q seja para viver um único minuto, pq essa é a missão dele, não podemos decidir pela vida de ninguém, muito menos interromper pensando nos nossos próprios sentimentos.

eu sou contra todo e qualquer motivo para aborto.

Verônica disse...

Eu penso mais ou menos como vc. Eu tb sou espírita e acho que tb levaria a termo uma gravidez assim por achar um dever cármico, um resgate... sei lá. Mas não costumo interferir no querer dos outros. Cada um sabe de si e ninguém deve julgar ninguém.

De um jeito ou de outro as mulheres sempre têm que lutar pelos seus direitos. É muita hipocrisia por todos os lados.

Enfim, aborto sempre é uma situação triste...

Mais de Mim disse...

É algo a se pensar muito bem.

Liberdade.

Beijos
Noh

Bem Resolvida disse...

Sentimental, a questão não é ser contra ou a favor do aborto pois se for falar apenas em contra/favor eu sou contra mas sou contra o Estado e a religião, principalmente a religião querer impor à mulher suas decições. Ontem acompanhei a votação ao vivo e estava cheio de padres e freiras lá, evangélicos...A religião não tem direito de mandar no corpo de uma mulher. Se ela decide por não levar adiante uma gravidez de um bebê sem cérebro, ela que tome suas próprias decisões. O sofrimento é dela, ela quem sabe se aguenta ou não. E a neném de 2 anos que está aparecendo na mídia não é anencéfala, eu sei e isso foi falado no STF e esses casos são diagnosticados corretamente. Nossa religão não deve impor o que outras mulheres fazem no seu corpo. Isso que eu quis dizer. sou "contra" mas não concordo com a religião ou o Estado "mandando" no corpo da gravida.

Gauchinha Ardente disse...

SEMPRE que o Estado é chamado a intervir, pode ver: resulta em MERDA!
Quando o Estado é chamado a intervir por razões religiosas, o resultado é DESINTERIA.
É só olhar o que acontece no mundo, no Oriente Médio, na Ásia e em algumas republiquetas de decendência ibérica aqui pertinho de nós.
Sem falar no Brasil, onde a coisa vai de mal a pior e o povo acha que está vivendo em Miami. É por isso que eu não suporto política.
Mas ver você escrevendo assim, toda politizada, cheia de opinião; me deu uma vontade te abraçar...

Fred disse...

Virge! Um belo de angu de caroço esse! Mas - CLARO - que tô contigo: a mulher deve ter o direito de escolha. E as carolas comedoras de hóstia que fiquem na delas! Bjz!

Déjà Vu disse...

Belo texto adoro essas sacanagens! rsrsrsrs
Se puder visite meu cantinho e comente sempre que puder!
Beijos

Fabiano disse...

Sentimental, essa menina de 2 anos, é ACRANIA, que é outra coisa, sem CÉREBRO = sem informações para o corpo, o coração não bate, os músculos não se mexem, NADA, absolutamente NADA é feito. Uma pessoa Acrania tem má formação craniana, ou parte faltando, ela ainda tem o cérebro.

Eu também sou espírita... E essa é a uma questão delicada... EU abortaria, se você estuda ligações cármicas, chacras e essas coisas, deve saber que a sede da alma é a mente, e sem a mente, não se torna presente a ação do espírito. Porém, a vida se inicia 3 semanas depois da fertilização e eu não sei se nesse período já é possível verificar a presença de cérebro na criança, acho eu (Como leigo) que não.

Mas pode ser resgate cármico também, que poderia agravar e muito a situação, mas independente dos fatores, o livre-arbítrio deve ser mantido, a escolha deve ser única e exclusiva da mãe, eu não sei se foi aceita ou não a proposta, mas espero que o aborto seja SIM liberado, é um sofrimento muito grande, que não sabemos se os pais estariam prontos para sentir ou não, e não nos cabe julgar isso.

arranhaoceu disse...

Oi Bem Resolvida. Adorei o post, muito bem dito.
Concordo que a Religião não deve interferir no Estado, já que o Estado é laico - deveria ser né?
Comecei a estudar o Espiritismo recentemente, ainda conheço pouco para dar a minha opinião sobre meu ponto de vista religioso, mas concordo que a decisão cabe a mãe.
Beijão!!